py3cvsnewsworld WordPress.com

PORTO ALEGRE, SEDE DA COPA 2014

Tenho notado que o Rio Grande está PARADO, nada se resolve, ninguém faz nada em relação a COPA DO MUNDO, o Lula lutou e ganhou a concessão para SEDIAR o evento, estão todos sentados atrás das mesas, nos seus gabinetes, (menos a Ana Amelia, vejo que está se esforçando), neste momento eu tenho VERGONHA DE SER GAÚCHO, pelo amor de Deus!!! Nossos apresentadores (rádio e TV) tem que botar o “boca no trombone” assim não dá! As estradas estão um CAOS, Cais do Porto está parado. Se eles ( governo ) lutaram para sediar a copa, tem que fazer algo e urgente, caso contrário seremos o FIASCO DO SÉCULO, perante as outras Nações. A Russia, que vai sediar em 2018 já estão acelerados, provavelmente a 50 anos na nossa frente. É uma vergonha! Eu espero que meus amigos jornalistas, que estão com a “faca e o queijo na mão” depois desse meu desabafo, pensem um pouco…e façam alguma coisa…Eu votei na Dilma, no Tarso e na Ana Amélia, vou gritar…não sei se eles vão me ouvir, nas eleições, quando candidatos eles me escutavam…pelo menos eu penso…pois enviava muitas mensagens em seus Blogs.

FAÇAM ALGO PARA NÃO NOS ENVERGONHARMOS DEPOIS…

DESABAFO DE UM CAMINHONEIRO:

Olá, meu nome é Oswaldo (QRA Bandoleiro), trabalho com bi trem nas regiões do Norte e Centro-oeste do País. Na verdade, o que acontece é que muitos se drogam pra fazer horário e outros se drogam porque são verdadeiros bandidos, irresponsáveis, envolvidos no meio da profissão, já vi cara cheirar, pra rodar vazio a noite inteira. Já vi rebitado bater pneu com lanterna acesa e dar choque em boi com gaiola vazia. Agora quem tem uma grande parcela de culpa somos nós mesmos, os caminhoneiros. Deveríamos ser mais unidos e parar com essa competitividade entre nós, onde quem ganha são as transportadoras, empresários do transporte, Ag. de cargas e alguns mais. Quem perde somos nós. Perdemos a liberdade, o descanso merecido, a saúde, e quando morremos nas estradas, quem perde são nossas famílias. Um abraço a todos os caminhoneiros do Brasil!

ONDE ESTÁ NOSSA MALHA FERROVIÁRIA???

O Brasil é, sem dúvida, um país de dimensões continentais e tem nas rodovias o mais importante elo de ligação entre seus Estados e Municípios. Por outro lado, somos ainda um povo carente de educação e, por isto mesmo, desconhecemos o quanto com nossas atitudes podemos prejudicar a natureza. A conjugação desses dois fatores faz com que sejamos obrigados a ver, às margens de nossas estradas, vegetação e mesmo matas serem destruídas pela ação vândala e irresponsável nossa ao, inadvertidamente, atirar pelas janelas dos veículos pontas de cigarro acesas.

REPORTAGEM DA ISTO É:

Há uma novidade relevante sob o asfalto das rodovias brasileiras. Neste momento, 40 peritos do Instituto Nacional de Criminalística (INC), da Polícia Federal, fazem prospecções em estradas de cinco Estados, colhendo amostras de piche e pedras, para descobrir qual a razão de tantos buracos. Já foram produzidos 20 laudos e, desses, quatro foram anexados a inquéritos policiais – aos quais ISTOÉ teve acesso com exclusividade. A constatação é que os buracos financeiros são maiores que as crateras encontradas no asfalto. Os peritos concluíram que, em média, 50% do dinheiro de cada uma das 20 obras, sem exceção, foi desviado para bolsos privados. As construtoras aplicam materiais de terceira qualidade, registram desmatamentos em local sem árvores e diminuem a espessura do asfalto. A espessura mínima de 2,5 centímetros chega a cair para um centímetro. Os quatro laudos anexados a inquéritos, todos relativos a trechos de asfalto no Tocantins, comprovam desvio total de R$ 230 milhões. “Estes laudos constituem um avanço importante na identificação da corrupção”, comemora Lucas da Rocha Furtado, procurador-chefe do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União. “É um marco no combate ao crime organizado.”

O INC já faz laudos de qualidade de asfalto no Tocantins, Acre, Piauí, Roraima e Rio Grande do Sul. Os laudos dos peritos começam a ser anexados a inquéritos que apuram superfaturamento, desvios, fraude e outros tipos de crimes. Há milhares de trechos para serem analisados em todo o País, em obras federais ou estaduais que levam dinheiro da União. O caso mais acintoso, até o momento, é o da construção de 89 quilômetros de rodovia entre os municípios de Wanderlândia e Xambioá, no Tocantins. São dois contratos firmados entre a Secretaria dos Transportes do Estado e as empreiteiras Egesa Empreendimentos, de Minas Gerais, e Via Engenharia, de Brasília. O laudo aponta irregularidades em obras de desmatamento e no movimento de terra. Segundo os peritos, teriam sido desviados R$ 85 milhões, em valores atualizados. Significa um desvio de R$ 1 milhão por quilômetro. “Não tem superfaturamento”, garante Eduardo Martins, diretor comercial da Egesa. “Hoje, fazer obra não está fácil.” Em sua defesa, Martins apresenta relatório da Secretaria de Controle Externo do TCU. No despacho, o auditor do Tribunal atesta que a obra foi realizada “a contento”. A direção da Via, por sua vez, informa que vai se inteirar do processo antes de se pronunciar.

Nessa primeira amostragem da PF, a Egesa também foi apanhada no contrato da construção de trecho de 68,5 quilômetros entre Aguiarnópolis e Luzinópolis, no Tocantins. O prejuízo corrigido seria de R$ 66,9 milhões. Também para esse caso, a Egesa utiliza relatórios do Tribunal de Contas em sua defesa. Mas é exatamente essa a novidade. Até agora, todas as obras públicas vinham passando por auditorias do TCU, por amostragem. Os auditores fazem uma análise dos documentos da licitação e visitam algumas obras para checar se elas realmente existem. Geralmente as estradas estão lá. O que a PF começou a fazer é analisar com profundidade a qualidade da obra – e seu custo real. Ou seja, saber se a camada de asfalto empregado, a quantidade de brita e compostos químicos confere com os valores contratados no papel. É uma mudança na realidade brasileira. “Hoje, estão só passando farofa por cima de um asfalto já desgastado e jogando o dinheiro público fora”, acusa o presidente da Associação Brasileira de Transporte de Cargas, Nilton Gibson. “Com a primeira chuva, tudo vira pó.”

No momento, o governo federal realiza obras de recapeamento no valor de R$ 440 milhões dentro da Operação Tapa-Buracos, anunciada pelo presidente Lula em janeiro último. O TCU checou as licitações e constatou irregularidades que justificam a paralisação de 47,5% dessas obras. Elas agora devem entrar na longa fila das perícias da PF. O problema é que perícia custa muito dinheiro. A PF gasta em média R$ 15 mil por cada laudo de análise de asfalto. Sem alguns equipamentos, os peritos recorrem aos laboratórios das universidades e institutos. O INC em Brasília tem excelentes equipamentos para análise de drogas e substâncias químicas, por exemplo, mas a área de análise de qualidade de asfalto é novidade técnica. Com menos de R$ 100 mil, dizem os peritos, será possível comprar as máquinas para montar um mini-laboratório de análise de asfalto. “O Congresso também pode ajudar criando leis mais rígidas para punir superfaturamento”, diz o analista político Márcio Coimbra. “A dificuldade é que muitos políticos tiram o dinheiro das campanhas justamente dessas obras.”

COMO EU TENHO AMIGOS DE VÁRIOS PAÍSES AQUI NO FACEBOOK, E TAMBÉM EM OUTROS LOCAIS NA INTERNET, A VERGONHA NÃO FICARÁ RESTRITA SOMENTE AO NOSSO ESTADO. EU NÃO FALO AQUI, AFIM DE ATINGIR ESSE OU AQUELE, SOMENTE PARA ELES ABRIREM OS OLHOS!!! A VISÃO QUE TEMOS, QUE ANDAMOS PELA CIDADE, SOFRENDO AS CONSEQÜÊNCIAS DO DESCASO, 64 ANOS VIVENDO NESSA CIDADE, PODEMOS FALAR COM TODA A CLAREZA.

O RIO GRANDE ESTÁ PARADO!!!

PY3CVS.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s